O Maior Site de Notícias de Piripiri!
PUBLICIDADE
botao--8677.jpg
botao--3114.gif
botao--7060.png
botao--2868.png
botao--9024.png
botao--6466.jpeg
botao--2308.jpg
botao--1189.png
botao--4381.png
botao--8483.jpg
botao--6252.gif
botao--2154.jpg
botao--4098.jpg
botao--3279.jpg
botao--1177.png
botao--5250.jpeg
botao--4152.jpg
botao--5606.jpg
botao--2805.png
botao--6038.jpg
botao--7554.png
botao--5607.jpg
botao--5946.png
botao--8388.jpg
botao--9287.jpg
botao--7694.jpg
botao--7572.jpg
botao--6833.jpg
botao--1259.gif
botao--3358.png
botao--5090.gif



mundo

Rússia diz que presença de militares na 'Venezuela não ameaça ninguém'



28/03/2019

A Rússia afirmou que a presença de seus militares na Venezuela "não ameaça ninguém". A declaração foi feita pelo Ministério das Relações Exteriores nesta quinta-feira (28), em resposta a Donald Trump, que afirmou que militares devem deixar o país.

"A Rússia não infringiu nada, nem os acordos internacionais, nem o Direito venezuelano. Ela não muda o equilíbrio de forças na região e não ameaça ninguém, diferentemente de Washington", disse a porta-voz do Ministério, Maria Zakharova.
A porta-voz classificou as críticas de autoridades americanas esta semana como "tentativa arrogante de ditar para Estados soberanos como têm de se relacionar entre eles. Nem Rússia nem Venezuela são províncias dos Estados Unidos".

Segundo ela, os militares ficarão no país o tempo que for necessário.

"Eles se ocupam da aplicação dos acordos firmados no campo da cooperação técnica e militar. Por quanto tempo? O tempo que for necessário. Tanto tempo quanto for necessário para o governo da Venezuela".
"Os especialistas russos chegaram à Venezuela em virtude de um acordo bilateral intergovernamental sobre a cooperação militar e técnica. Ninguém anulou esse documento", afirmou Zakharova.

Na quarta-feira (27), durante encontro com esposa do líder da oposição e autoproclamado presidente Juan Guaidó, Trump pediu à Rússia que saia da Venezuela, após a tensão criada pelo envio de militares e material russos para Caracas.

Fonte: G1