O Maior Site de Notícias de Piripiri!
alt-9719c21947.jpg SANTUARIO

RILSON MEDEIROS - 999550601

PUBLICIDADE
botao--9784.gif
botao--1794.gif
botao--858.gif
botao--5125.gif
botao--4102.gif
botao--4096.jpg
botao--9287.jpg
botao--6770.jpg
botao--9878.jpg
botao--7813.gif
botao-Raphael-Assuncao-1046.jpg
botao--3147.gif
botao--7347.jpg
botao--6833.jpg
botao--1259.gif
botao--5090.gif
botao--7144.gif
botao--5110.gif
botao--9382.jpg




Imperfeição: A Marca de Todos os Perfeitos



18/02/2017

Meditação sobre hebreus 10.14

Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados.

Duas coisas são bastante encorajadoras em nossa condição imperfeita como pecadores salvos.

Primeira, observe que Cristo aperfeiçoou seu povo, e esse aperfeiçoamento já está completo. “Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados”. Ele o fez; e o fez para sempre. O aperfeiçoamento de seu povo está completo, para sempre. Isso significa que os crentes não pecam? Não ficam doentes? Não fazem erros matemáticos na escola? Já somos perfeitos em nosso comportamento e atitudes?

Neste versículo, há uma razão evidente que nos faz saber que essa não é a nossa situação. Qual é essa razão? É a última frase. Quais são as pessoas que foram aperfeiçoadas para sempre? Aquelas que “estão sendo” santificadas. A ação contínua do tempo presente do verbo grego é importante. Aqueles que “estão sendo santificados” ainda não estão completamente santificados no sentido de não pecarem mais. Do contrário, eles não continuariam sendo santificados.

Portanto, temos a combinação que nos deixa perplexos: aqueles que Cristo “aperfeiçoou” são aqueles que “estão sendo santificados”. Podemos também pensar nos capítulos 5 e 6 de Hebreus e recordar que esses crentes eram qualquer coisa, exceto perfeitos. Por exemplo, em Hebreus 5.11, o autor sagrado diz: “A esse respeito temos muitas coisas que dizer e difíceis de explicar, porquanto vos tendes tornado tardios em ouvir”. Podemos, então, dizer com certeza que “aperfeiçoou”, em Hebreus 10.14, não significa que somos aperfeiçoados a ponto de não pecarmos mais nesta vida.

O que isso significa? A resposta é dada nos versículos seguintes (15 a 18). O autor bíblico explica o que pretendia dizer, ao citar Jeremias referindo-se à nova aliança, ou seja, que na nova aliança, que Cristo selou com seu próprio sangue, há perdão total para todos os nossos pecados. Os versículos 17 e 18 dizem: “Também de nenhum modo me lembrarei dos seus pecados e das suas iniqüidades, para sempre. Ora, onde há remissão destes, já não há oferta pelo pecado”. Portanto, ele explica a perfeição presente em termos (pelo menos) de perdão.

O povo de Cristo é aperfeiçoado agora no sentido de que Deus remove todos os nossos pecados (Hebreus 9.26), perdoa-os e nunca mais se lembra deles como base para condenação. Neste sentido, permanecemos diante dEle como pessoas perfeitas. Quando Deus olha para nós, Ele não nos imputa qualquer de nossos pecados — passado, presente ou futuro. Deus não lança mão de nossos pecados, novamente, para usá-los contra nós.

Agora observe, em segundo lugar, em favor de quem Cristo fez esta obra de aperfeiçoamento, na cruz. Hebreus 10.14 nos diz: “Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados”. Você pode afirmá-lo de modo significativo nestes termos: “Cristo aperfeiçoou para sempre aqueles que estão sendo aperfeiçoados”. Ou: “Cristo santificou completamente aqueles que estão sendo santificados”. Isto é o que o autor sagrado realmente diz no versículo 10: “Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas”. Assim, no versículo 10, nós fomos “santificados”. O versículo 14 diz que estamos “sendo santificados”.

Isto significa que você pode saber que mantém uma posição de perfeição aos olhos de seu Pai celestial, se está se movendo de sua imperfeição presente e se encaminhando em direção a mais e mais santidade, pela fé em sua graça futura. Permita-me dizer, novamente, que, por causa de seu encorajamento para pecadores imperfeitos como nós e de sua plena motivação à santidade, Hebreus 10.14 significa que você pode ter certeza de que permanece perfeito e completo aos olhos de seu Pai celestial, não porque você é perfeito agora, mas exatamente porque você não é perfeito agora e está sendo santificado — sendo tornado santo.

Você pode ter certeza de sua posição como pessoa perfeita diante de Deus, porque, pela fé nas promessas de Deus, você está se movendo de suas imperfeições hesitantes em direção a mais e mais santidade. Nossa imperfeição remanescente não é uma evidência de nossa desqualificação, e sim uma marca de todos aqueles que Deus “aperfeiçoou para sempre” — se estamos no processo de sermos transformados (2 Coríntios 3.18).

Anime-se. Fixe seus olhos naquela obra de aperfeiçoamento que Cristo fez para sempre. E resista a todo pecado conhecido.


PUBLICIDADE
banner-j-brito





Número de evangélicos no Piauí cresce 61% em dez anos, aponta IBGE



28/01/2017


Mais de 2.6 milhões de piauienses declararam ser católicos. Foi o que apontou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em estudo divulgado nesta sexta-feira, dia 29. São números que colocam o Piauí com o maior percentual de católicos do país: 81.5% da população.

Segundo o IBGE, o número de católicos foi de 123,3 milhões em 2010, cerca de 64,6% da população. No levantamento feito em 2000, eles eram 124,9 milhões, ou 73,6% dos brasileiros. A queda foi de 1,3%.

O número de evangélicos no Piauí aumentou 61,6% nos últimos dez anos. Em 2000, 6% dos piauienses declararam ser evangélicos. No Censo 2010, o percentual chegou a 9.7%, o que representa 302.982 piauienses.

No Brasil, os evangélicos passaram a ser 42,3 milhões, ou 22,2% dos brasileiros.

O Nordeste ainda mantém o maior percentual de católicos, com 72,2% em 2010. Apesar de ser a região do país com maior concentração do grupo religioso, a população nordestina católica sofreu queda. Em 2000, o percentual era de 79,9%. No Sul, o IBGE também identificou redução do percentual de católicos, saindo de 77,4% para 70,1% nos censos de 2000 e de 2010, respectivamente.

O IBGE registrou que 15 milhões de pessoas se declararam sem religião no Censo de 2010, o que representa 8% dos brasileiros. Em 2000 eram 12,5 milhões, o equivalente a 7,3% da população. No Piauí, são 106.722 - o equivalente a 3.29% da população.
Fonte: Flash de Virgiane Passos
Por: Josiel Martins






O que a Bíblia e a ciência comentam sobre os dinossauros.



21/01/2017

O tema dos dinossauros na Bíblia é parte de um debate que se desenvolve dentro da comunidade cristã a respeito da idade da terra, da interpretação correta do Gênesis e de como interpretar as evidências físicas que nos cercam. Aqueles que acreditam em uma idade mais antiga para a terra tendem a concordar que a Bíblia não menciona os dinossauros, pois, de acordo com seu paradigma, os dinossauros desapareceram milhões de anos antes que o primeiro homem andasse sobre a terra. Os homens que escreveram a Bíblia não poderiam ter visto dinossauros ainda vivos.

Aqueles que crêem que a terra é mais jovem tendem a acreditar que a Bíblia menciona os dinossauros, apesar de jamais haver usado a palavra “dinossauro”. Ao invés, usa a palavra tanniyn, vinda do Hebraico. Tanniyn é traduzida de algumas poucas maneiras diferentes nas Bíblias de língua inglesa; às vezes como “monstro do mar”, às vezes como “serpente”. É mais comumente traduzida como “dragão”. Tanniyn parece ter sido algum tipo de réptil gigante. Estas criaturas são mencionadas quase trinta vezes no Antigo Testamento e são encontradas tanto em terra quanto no mar.

Além de mencionar estes répteis gigantes quase trinta vezes no Antigo Testamento, a Bíblia descreve algumas criaturas de tal modo que alguns estudiosos acreditam que os escritores poderiam estar descrevendo dinossauros. Behemoth é descrita como a mais poderosa de todas as criaturas de Deus, um gigante cuja cauda é comparada à árvore de cedro (Jó 40:15 em diante). Alguns estudiosos tentaram identificar Behemoth como um elefante ou hipopótamo. Outros dizem que tanto elefantes quanto hipopótamos têm caudas muito finas, nada que se possa comparar ao cedro. Os dinossauros como o Braquiossauro e o Diplodocus, por outro lado, tinham caudas enormes que poderiam facilmente ser comparadas à árvore do cedro.

Quase toda a civilização antiga tem algum tipo de arte descrevendo criaturas répteis gigantes. Desenhos ou entalhes sobre rocha, artefatos e até pequenas estátuas de barro descobertas na América do Norte se parecem com representações modernas de dinossauros. Entalhes em rochas na América do Sul representam homens montando criaturas parecidas com o Diplodocus e, assombrosamente, assemelham-se com imagens familiares como o Triceratops, Pterodáctilo e Tiranossauro Rex. Os Mosaicos romanos, a cerâmica maia e muros da cidade babilônica são testemunhos dessa fascinação cultural e geograficamente sem fronteiras do homem com essas criaturas. Sérias narrativas como as de Il Milione de Marco Polo se mesclam com fantásticos contos de bestas que acumulam tesouros. Narrações atuais de observações sobrevivem, apesar de serem tratadas com espantoso ceticismo.

Além do volume substancial de evidências antropológicas e históricas a favor da coexistência de dinossauros e homens, há outras evidências físicas, como as pegadas fossilizadas de humanos e dinossauros, descobertas juntas em lugares da América do Norte e oeste da Ásia central.

Para finalizar, encontramos dinossauros na Bíblia? Este assunto está longe de ser resolvido. Depende de como se interpreta as evidências disponíveis e de como se vê o mundo ao redor. Aqui em GotQuestions.org, acreditamos na interpretação da terra jovem e aceitamos que os dinossauros e homens coexistiram. Cremos que os dinossauros desapareceram algum tempo depois do Dilúvio devido à combinação de dramáticas mudanças ambientais e por terem sido incessantemente caçados pelo homem, até a completa extinção.






Como ser estudante e manter a comunhão com Deus?



18/01/2017

Estamos no fim das férias escolares e, em alguns dias, muitos voltarão à árdua rotina dos estudos. E a maioria não só estuda, mas também trabalha, então a correria, cansaço e falta de tempo aumentam ainda mais.

E como é possível manter a comunhão com Deus quando, às vezes, não se tem tempo nem para si mesmo?

A primeira coisa que você tem que saber é que com Deus o que vale não é a quantidade, mas a qualidade. Do que adianta orar muito, se é aquela prece mecânica? Ou ler vários capítulos da Bíblia, se você o faz de forma fria, sem a intenção de meditar no que lê? Lembre-se que Ele deseja um relacionamento e não que você aja como um robô, fazendo tudo de qualquer forma só para cumprir uma obrigação religiosa.

Por isso, listaremos aqui alguns itens essenciais no desenvolvimento do relacionamento com o Criador e como investir em cada um, mesmo durante a correria do ano letivo. Mas atenção: não espere sentir vontade para realizar cada um deles. Seu relacionamento com Deus (assim como com qualquer outra pessoa) não pode depender da sua vontade ou do seu humor, mas da sua consciência em fazer o que é preciso. Muitas vezes você não terá vontade de ter seus momentos com Deus ou se sentirá sem forças, mas terá de decidir fazer o que é certo ou não, com vontade ou sem vontade.

1- Oração

Deus ama a sinceridade, então quando orar diga o que realmente está dentro de você: suas ideias, medos, dificuldades, planos. Pela manhã, apresente o seu dia a Ele e, à noite, aproveite para falar sobre tudo o que aconteceu. Uma dica para evitar ser vencido pelo sono na oração noturna é fazê-la antes de todo o preparo para dormir, ou seja, não deixar que sua oração seja feita logo antes de deitar.
2- Ler a Bíblia
Quando lemos a Bíblia, Deus fala conosco, dando força e direção. Leia alguns versículos, medite e, para ajudar a fixar o que leu, escreva o que entendeu em sua agenda. E se a falta de tempo tem sido um empecilho, organize-se. O tempo é você quem faz, afinal, se conseguiu parar para ler esse texto, também pode parar para ler a Palavra de Deus.

E outra dica: é provável que você fique com muito sono quando realizar sua leitura, então ore, unja seus olhos e, se for preciso, leia em pé. É um esforço a mais, mas Deus não ficará inerte ao ver seu sacrifício e intenção.

3- Pensamentos

Permaneça conectado com Deus todo o tempo por meio dos seus pensamentos. Faça dele o seu melhor amigo, pense em quem Ele é, Seu caráter, o que fez e ainda fará na sua vida, lembre-se das passagens da Bíblia que já conhece. Conte seus segredos, comente sobre o que vê, o que sente. Não seja interesseiro (a) buscando-O só quando está passando por um problema. Lembre-se que o objetivo d’Ele é ter um relacionamento íntimo com você.

4- Vá à igreja

Sua comunhão com Deus não depende do pastor ou da igreja, mas lá é um ambiente de fé, onde aprendemos a lutar e recobramos as forças para vencer no dia a dia. Há pelo menos 3 reuniões muito importantes que todos devem frequentar: quarta-feira, sexta-feira e domingo pela manhã. Se durante a semana você trabalha ou tem outros compromissos que lhe impedem de estar presencialmente, assine o Univer e assista às reuniões do Templo de Salomão ao vivo, de onde estiver.

5- Vigie

Sempre esteja atento para combater os pensamentos de dúvida lançados pelo diabo, se fortaleça com a Palavra de Deus e resista. Vigie para fugir do pecado e das tentações que surgem no trabalho, escola, faculdade etc.

Agora, tenha disposição para colocar tudo em prática. O investimento no relacionamento com Deus exige esforço, dedicação e sacrifícios. Muitas vezes você vai querer assistir um filme, ficar à toa nas redes sociais ou descansar um pouco em vez de seguir uma das dicas acima. Mas saiba que o seu sacrifício será recompensado com a presença de Deus.






“Indignos Transformados em Missionários de Cristo”



15/01/2017

Você pensa que você não pode fazer a obra de Deus por ser incapaz, ou por seu passado, ou até porque você tem aceitado o que o inimigo tem falado sobre você. Veja no Novo Testamento algumas pessoas que tinham um passado nada abonador e como o Senhor as transformou em agentes missionários.

I) ELE TRANSFORMA UM LOUCO EM MISSIONÁRIO – Mc. 5.1-20

a) O endemoniado de Gadara viva arrastando correntes pelo cemitério, todo machucado, assustando os transeuntes. Esse era o quadro assustador desse homem.

b) Se alguém olhasse para o endemoniado gadareno jamais o imaginaria pregando as boas novas em sã consciência. Mas agora o texto Bíblico diz que ele está “assentado aos pés de Jesus vestido e em sã consciência” – Mc. 5.15

c) Agora o semblante de terror transmite uma paz celestial. Ele pede para seguir a Jesus. O que Jesus faz? Lhe dá uma missão: “Vá e diga aos teus tudo o que o Senhor te fez e como teve compaixão de ti”.

d) Ele quer transformar você num missionário em sua própria casa, no meio de sua família.

II) ELE TRANSFORMA UMA ADULTERA EM EVANGELISTA- Jo. 4.1-39

a) A mulher samaritana não tem nome. Mas tem uma reputação nada boa. Mas é a esta mulher que Jesus dá uma tarefa: Vá chamar o seu marido. Ela foi e chamou toda a cidade. O que ela disse aos seus concidadãos? Encontrei o Messias. Ele sabe tudo ao meu respeito.

b) Se você olhasse para o histórico de vida dessa mulher você jamais diria que ela entraria para o rol dos evangelistas mais conhecidos da história bíblica. Ela levou uma cidade inteira ao encontro de Cristo.

c) Ele quer transformar você num missionário nesta cidade, aqui onde vivemos.

III) ELE TRANSFORMA UMA ENDEMONIADA EM TESTEMUNHA–Lc. 8.2 e Jo.20.1

a) Maria Madalena tinha sete demônios, mas agora liberta se transformou em discípula de Jesus, de discípula para testemunha é só um passo.

b) Como Jesus valorizou as mulheres, e especialmente estas que foram tão judiadas pelo pecado. Maria Madalena se transformou na primeira mensageira das novas da ressurreição. Em todo o Mundo se lê o registro dessa ex.endemoniada anunciando: Jesus vive, Ele ressuscitou!

IV) ELE TRANSFORMA UM EUNUCO EM MISSIONÀRIO TRANSCULTURAL – Atos 8.26-40

a) Um eunuco era proibido de entrar no templo para prestar culto a Deus. “Aquele a quem forem trilhados os testículos ou cortado o membro viril não entrará na assembléia do SENHOR. Deuteronômio 23.1. O Eunuco voltava do Templo em Jerusalem, onde ele não onde ele não poderia jamais ter acesso aos sacrificios, mesmo sendo prosélito, pois ele era castrado.

b) Pois foi a esse homem que o Espírito Santo conduziu Filipe. Tirou o evangelista de um grande trabalho missionário em Samaria para pregar a um Eunuco. O que aconteceu? Esse Eunuco se torna um missionário transcultural. Ele vai agora para a Etiópia levando as boas novas de salvação. Ele quer te enviar as nações!!!

V) ELE TRANSFORMA UM FEROZ PERSEGUIDOR NO MAIOR PLANTADOR DE IGREJAS DA HISTÓRIA – Rm. 15.17-21

a) Quem diria que Saulo de Tarso seria um homem tão apaixonado pelos perdidos como se tornou? Quem diria que Ele seria alguém tão apaixonado pela Igreja que ele tanto maltratava?

b) Nem mesmo os discípulos em Jerusalém acreditaram de pronto. Foi preciso Barnabé adotar Saulo para que ele pudesse ser recebido pelos irmãos.

Paulo nunca esqueceu o que fez. Em I Timóteo 1.12-15 ele diz que era “blasfemo e perseguidor e que o Senhor Jesus veio ao Mundo para salvar os pecadores dos quais eu sou o principal”.

c) O Senhor quer transformar você num apaixonado pela Igreja, onde você for você sentirá o desejo de ver uma Igreja plantada.

Conclusão

O meu passado serve para mostrar duas coisas:

1) O poder de Deus para transformar pecadores em Santos.

2) Que Deus transforma indignos em missionários que proclamam o que Ele fez e faz.

Deus é capaz de transformar:

Um louco em missionário para sua família

Uma mulher adúltera em evangelista para uma cidade

Uma endemoniada em testemunha da vida eterna

Um eunuco em missionário transcultural

Um feroz perseguidor da Igreja no maior apaixonado pela Igreja.

Você acha que ele não pode transformar você em um agente de propagação do seu R






Não deixa a Unção acabar



10/01/2017

O primeiro cuidado a ser tomado é o de suportar os sofrimentos inerentes à vocação de servir ao Senhor. Observe II Tm 1:8, onde Paulo recomenda ao seu filho na fé: suporte comigo os meus sofrimentos pelo evangelho... Não há dúvidas de que no ministério enfrentamos agruras diversas, daí a Epístola estar repleta de alusões às dores pastorais: lágrimas (v. 4), sofrimento (v. 12), prisão (2:8), perseguições (3:11), muitos males (4:14), solidão (1:15, 4:16). Nesta carta Paulo afirma categoricamente que ser perseguido é parte do ministério: De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.(3:12).

Exatamente por isso, o Senhor nos advertiu a todos os que querem segui-lo como Seus discípulos, que devem tomar uma cruz (Lc 14:27). Para que a unção permaneça acesa em sua vida, você precisa suportar as provas, as dificuldades.

Em segundo lugar, Paulo recomenda ao seu filho na fé que jamais se esquecesse da santa vocação com que foi chamado pelo Senhor (v. 9). Lembre-se de que você chegou até aqui porque o próprio Senhor o escolheu. Nada melhor do que a tranqüilidade de saber que você está no exato lugar onde o Senhor quer que você esteja. Todo o que obedece à vocação de Deus é respaldado pelo próprio Espírito de Deus. Por isso, seja sempre um bom soldado de Cristo – pronto, desembaraçado para cumprir qualquer missão para a qual Ele o designe (II Tm 2:3). Tendo a consciência de sua santa vocação, você fugirá de tudo o que possa embaraça-lo e impedi-lo de obedecer a Deus.

Por fim, mantenha viva a chama da unção que recebeu fortalecendo-se na graça que há em Cristo Jesus (II Tm 2:1). O Senhor é uma fonte inesgotável de renovo espiritual, de fortalecimento para o seu espírito. Ele o convida a beber, de graça, do Seu manancial. Ele o convida a sentar-se em Sua mesa, como príncipe, e comer, de graça, do seu pão. Jamais abra mão de beber desta fonte e de comer desta mesa – não caia na sedução e no engano, como Sansão. É esta força sobrenatural que nos faz perseverar e vencer, apesar dos sofrimentos, das dificuldades.

Que neste dia o Senhor renove suas forças e conserve acesa a unção que repousa sobre sua vida. E que você seja muito frutífero, para glória do Senhor.






Retrospectiva 2016



17/12/2016

Todo final de ano é aquele momento em que costumamos realizar uma retrospectiva da vida, também buscamos traçar as metas e os objetivos para o ano que virá.

Nesse processo, o mais importante é o ato de gratidão, olhar e percebermos como Jesus nos cuidou durante um ano inteiro, sentirmos as conquistas, os erros, os acertos, as dores e as alegrias… Então, verificamos que em tudo isso Ele esteve conosco, e concluímos que sem Ele não conseguiríamos chegar ao final de mais um ano.

Talvez o olhar humano não consiga mensurar a grandeza que é o milagre diário de estarmos vivos. Que o post de hoje, lhe inspire, como me inspirou a agradecer a Deus por tudo que vivi em 2016.

O ano que vem é coisa para o ano que vem, primeiramente agradeça e viva o restante de 2016, faça uma retrospectiva do ano e perceberá como Deus foi perfeito em tudo que fez.

Se para você o ano não foi como esperava, ou algo ainda não deu certo… Saiba que o simples fato de chegarmos até aqui é um milagre! Pois, a vida é passageira, rápida demais para não darmos valor na grandeza que é o simples ato de viver…

Viva… curta os pequenos grandes momentos, cada segundo vale muito, e cada dia é um dia para movermos passos rumos aos nossos sonhos…

Todo dia é dia de sonhar… Sonhe com um lindo 2017, tenha planos e sonhos. Mas, lembre-se Deus nos guia e dirige os nossos passos, Ele conhece o futuro, nós não. Confie, descanse, deixe o amanhã nas mãos Dele, porque a nós compete apenas o HOJE.






OS SETE PASSOS DA RENOVAÇÃO ESPIRITUAL



03/12/2016

(Isaías 40:31)

INTRODUÇÃO: O QUE SIGNIFICA “RENOVAÇÃO ESPIRITUAL”

Há vários fatores que ocasionam o envelhecimento ou a decadência espiritual. Os mais comuns são a rotina, a imaturidade, a frieza, o descaso e, por fim, a estagnação da vida cristã. Há cristãos que perdem o entusiasmo e o fervor dos primeiros dias de fé; acostumando-se a uma vida sem poder, testemunho, oração, consagração e crescimento. Nesta situação, se não houver uma reversão imediata, o cristão pode desviar-se dos caminhos do Senhor, o que será ainda pior. Aquele fervor espiritual do início da conversão deveria ser conservado, mantendo assim aberto o caminho da renovação pelo Espírito. A renovação espiritual do crente é uma das operações do Espírito Santo que mais destaque tem encontrado, nos últimos anos, e que se realiza diária e continuamente no meio do povo de Deus.

Quando falamos em “renovação”, estamos nos referindo ao “ato de renovar”, ou seja, o “ato de fazer algo novo outra vez”. Se o cristão é filho de Deus, se passa a desfrutar da natureza divina, o tempo não pode, de forma alguma, atingir a sua estrutura espiritual, pois, a partir do instante em que “nasce de novo”, em que “nasce da água e do Espírito”, o cristão não mais sofre os influxos do tempo e, a exemplo de Deus, a sua vida espiritual passa a ser um “eterno presente”. Se, pois, o cristão desfruta da vida eterna, desde o momento de sua conversão, temos que a vida espiritual é um eterno presente.

Renovar significa “tornar novo”, “recomeçar”, “refazer”, “reaver”, “retornar“. Na renovação espiritual, o Espírito Santo restaura e revigora a obra que anteriormente havia iniciado na vida do crente – Sl 103.5: É ele quem perdoa todas as tuas iniqüidades, quem sara todas as tuas enfermidades, quem redime a tua vida da cova, quem te coroa de benignidade e de misericórdia, quem te supre de todo o bem, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia”; Rm 12.2:” E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.”; Ap 2.4,5: “Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres.”; Cl 3.10: “e vos vestistes do novo, que se renova para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou”. Portanto, renovar espiritualmente é:

OS SETE PASSOS DA RENOVAÇÃO ESPIRITUAL

1. Retornar às experiências espirituais do passado. No início da fé cristã, o homem recebe do Senhor, bênçãos extraordinárias que antes da conversão jamais poderia obter: fortificação pela fé em Cristo, certeza de vida eterna, batismo no Espírito Santo, dons sobrenaturais, milagres, comunhão com Deus, santidade, vida cristã vitoriosa e tantas outras maravilhas que acompanham a salvação. O amoroso Pai tem prazer de, no início da jornada da fé, encher o cristão de vida, graça e poder espiritual. Ele nos eleva muito além das experiências puramente humanas.

Todavia, infelizmente, muitos esfriam na fé e perdem o contato com a Fonte da Graça. Há muitas pessoas na Igreja que conhecem o estilo do culto e os hinos; lêem a Bíblia ao menos uma vez por ano; são contínuos contribuintes financeiros, mas não conservaram seu amor pelo Senhor, nem o fervor de outrora. Não aplicam o que ouvem da Palavra de Deus às suas vidas. Estão próximas da igreja, mas distantes de Cristo – são os considerados crentes nominais. Só o Senhor, por meio do seu Santo Espírito, pode revigorar aqueles que perderam a força e a altitude das águias (Is 40.28-31).

2. Restabelecer as bênçãos perdidas. É difícil aceitar que o cristão possa perder algo que recebera de Deus. Alguém imagina que o Pai Celestial jamais retirará as bênçãos de seus filhos, especialmente as espirituais. O cristão que mantém uma contínua e perseverante comunhão com o Senhor certamente não perderá as bênçãos recebidas. O processo pelo qual o Espírito Santo veio habitar em seu interior, quando ocorreu a salvação, estabelece uma situação que não se altera com o decorrer do tempo: a pessoa entrou no reino de Deus, vive em novidade de vida, novidade esta que nunca deixa de existir, daí porque Paulo ter dito que o homem interior se renova de dia em dia, ou seja, que, apesar do decurso cronológico do tempo na vida material, em termos espirituais nada é afetado por causa da passagem dos segundos, minutos, horas, dias, meses ou anos (I Co 4:16).

Porém, a Bíblia é categórica ao afirmar que, se não cuidarmos bem da nossa vida espiritual, poderemos, sim, perder as bênçãos advindas do Senhor. A Palavra de Deus nos diz que podemos perder o amor (Ap 2.4), a alegria da salvação (Sl 51.12), a fé (1 Tm 6.10), a firmeza em Deus (2 Pe 3.17), o poder (Jz 16.20), e muitas outras coisas. É por isso que somos advertidos a guardar o que temos (Ap 3.11).

Graças a Deus, que pela renovação espiritual, o Senhor nos restaura completamente e torna a dar-nos as bênçãos perdidas – Sl 51.10.

3. Receber novas bênçãos. A conversão inclui grandes e ricas promessas de Deus para a vida do cristão, as quais Ele cumpre fielmente. Na renovação espiritual, o Senhor nos dá as bênçãos prometidas que até então não tínhamos recebido (Is 45.3), e nos anima a conquistarmos muito mais (Js 18.3).

Aquele que peca necessita de avivamento ou renovação espiritual, pois o pecado cria um obstáculo entre o homem e Deus, impedindo que venhamos a ter um eterno presente de comunhão com o Senhor. Enquanto estivermos no mundo, o pecado é um risco sempre presente, pois ainda não fomos libertos do corpo do pecado, algo que somente ocorrerá quando passarmos para a eternidade ou, então, se estivermos vivos no dia do arrebatamento, formos transformados.

Na Bíblia, foram registrados grandes avivamentos em que um grande número de pessoas voltou-se para Deus e desistiu de seu modo pecaminoso de viver. Os avivamentos foram liderados por alguém que reconheceu a crise espiritual da nação, superou o medo e tornou a vontade de Deus conhecida às pessoas.

4. A renovação deve ser diária. Assim como o corpo físico revigora-se diariamente, nosso homem interior precisa de constante renovação para manter-se fortalecido e plenamente saudável espiritualmente. Conforme nos orienta a Palavra de Deus, a renovação espiritual deve ocorrer “de dia em dia” (2 Co 4.16). A vida espiritual é uma continuidade, mas uma continuidade que é construída por uma comunhão e obediência exercidas dia-a-dia, momento-a-momento, sem qualquer intervalo. A renovação deve ser consciente e desejada. Precisamos ter consciência da urgente necessidade da renovação espiritual: “…transformai-vos pela renovação do vosso entendimento” (Rm 12.2). Assim como a chuva cai sobre as plantações, gerando e produzindo fruto (Sl 65.7-13), devemos pedir ao Senhor que envie sobre nós, sua lavoura, uma abundante chuva de renovação (1 Co 3.10; Sl 72.6,7; Os 6.3). Quando essa chuva começar a cair, o Espírito Santo de Deus certamente fará maravilhas, a começar pelas vidas renovadas. Aleluia!

5. A renovação enseja a operação do Espírito Santo. A renovação mantém o cristão afastado do mundo. A renovação aprofunda o cristão na Palavra de Deus. Quando somos renovados, nosso espírito é impelido pelas verdades eternas da Palavra (Jo 6.63), e nossa fé cresce abundantemente (Rm 10.17). A renovação dá poder ao cristão. “Os que esperam no Senhor renovarão as suas forças” (Is 40.31). No dia de Pentecostes, todos os cristãos foram cheios do Espírito Santo (At 2.4). Não obstante, pouco tempo depois foram cheios novamente; do mesmo poder e pelo mesmo Espírito (At 4.30,31). A renovação torna o cristão sensível à direção do Espírito. Quando somos renovados ficamos bem atentos à voz do Espírito, para sermos conduzidos e instruídos por Ele (At 16.6,7; 10.19). Se o Espírito Santo conhece todas as coisas em seus pormenores, pode nos guiar com precisão. Só um cristão renovado tem sensibilidade espiritual para ouvir e obedecer a voz do Senhor: “… Este é o caminho; andai nele…” (Is 30.21).

6. Quem permanece renovado não perde o ânimo. Muitas vezes as lutas e tribulações nos fazem diminuir o passo, reduzir o ritmo de nossa corrida e até pararmos. Para não sermos vencidos na batalha contra o mal, busquemos a renovação espiritual em Cristo. Não podemos parar! Não há espaço para o desânimo: “Desperta, ó tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos” (v.14); “Levantai-vos, e andai, porque não será aqui o vosso descanso” (Mq 2.10; 1 Rs 19.7; Hb 10.38).

7. Os que permanecem renovados, são purificados. Às vezes, perdemos a bênção, por entristecermos o Espírito de Deus (Ef 4.30). Quando o Espírito Santo determina que algo seja feito e o homem se recusa a fazê-lo, sendo, como é, uma Pessoa, dotada, portanto, de vontade e de sensibilidade, o Espírito Santo se entristece, fica triste, pois, como ama o ser humano, pois é Deus e Deus é amor (I Jo.4:8), quer sempre o melhor para o homem.

Não podemos entristecer o Espírito Santo (Ef.4:30), pois isto é perigoso, porquanto, quando o Espírito Santo se entristece, toma a mesma atitude que tomou Jesus quando se entristeceu, a saber: lamentou, chorou(Mt.23:37; Mc.3:5; Lc.19:41; Jo.11:35), mas respeita a decisão de desagrado, que poderá conduzi-los à destruição. Neste estágio, porém, o Espírito ainda tenta convencer o homem a converter-se.

CONCLUSÃO

Concluindo, o fogo não pode se apagar! Mas para o fogo não se apagar é necessário lenha continuadamente no altar. Portanto, devemos agir como os sacerdotes do tabernáculo – a cada manhã eles deveriam trazer lenha nova pra colocar no altar do holocausto( Lv 6:12), pois o fogo nunca poderia se apagar, tinha de estar, sem cessar, ardendo no altar. A lenha fala-nos do combustível do fogo, daquilo que faz com que se mantenha a temperatura e o fervor espiritual. O crente não pode viver de porções passadas que serviram para a estruturação da sua fé, da sua comunhão com Deus. Tudo aquilo que serve de alimento espiritual deve ser cultivado e mantido em porções diárias, sempre renovadas a cada instante, para que o fogo continue ardendo continuadamente em nossas vidas. Glória a Deus!!

(Texto adaptado do Pr. Antönio Gilberto – CPAD)






Longe de Casa mas não de Deus.



26/11/2016

A História de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego já é conhecidíssima no meio cristão (Se você ainda não sabe, vá ler a sua Bíblia AGORA, rs). Ainda assim quando lemos e relemos qualquer passagem da Bíblia temos uma interpretação diferente. Tendo isso em vista, leia abaixo o que você, jovem cristão, pode aprender com a história desses três rapazes que deixaram sua marca no livro mais famoso da humanidade.

1-A importância de ter amigos em Cristo – Sadraque, Mesaque e Abede-Nego permaneceram firmes e não aceitaram a ordem do rei Nabucodonosor. Nunca saberemos, mas será que eles teriam a mesma força para negar o rei se estivessem sozinhos? Independente disso, amigos que estão juntos em Cristo servem de consolo e apoio para os nossos momentos de luta. Quando encontramos amigos que tem a mesma fé em Deus que nós, achamos também um porto-seguro, alguém que se recusará a aceitar as ordens do mundo.

2-Seguir na contramão do mundo- A Bíblia é muito clara quando diz que todos (governadores regionais, prefeitos, governadores das províncias, juízes, tesoureiros, magistrados, conselheiros e todas as autoridades) foram se ajoelhar perante a estátua de Nabucodonosor. Em diversos momentos de nossa vida, somos desafiados a seguir comportamentos de muitas pessoas (beber, ir a festas, sexo antes do casamento). Comportamentos que todos ao nosso redor fazem, desde autoridades (ou em nosso caso atual, celebridades) até os nossos amigos. A recompensa veio depois, quando todos puderam ver o Deus que Sadraque, Mesaque e Abede-Nego serviam.
3-Resistir à pressão de pessoas- Em Daniel 3:15 vemos:

“Pois bem! Será que agora vocês estão dispostos a se ajoelhar e a adorar a estátua, logo que os instrumentos musicais começarem a tocar? Se não, vocês serão jogados na mesma hora numa fornalha acesa. E quem é o deus que os poderá salvar?Muitas pessoas até resistem a tentações, ao pecado, quando estão sozinhas, mas assim que o mundo os pressiona um pouco, elas caem. Você tem caído na pressão das pessoas? Tem cedido aos questionamentos e as vontades de outras pessoas? Siga o exemplo de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego e fique firme nas suas convicções em Cristo, mesmo quando as pessoas ao seu redor lhe pressionarem para desistir.Deus deixará você entrar na fornalha

4-Deus deixará você entrar na fornalha – Deus poderia ter evitado que os jovens fossem para a fornalha. Ele poderia mostrar seu poder muito antes, poderia ter matado Nabucodonossor no momento que este questionava o Deus dos três, mas aí está uma face incrível do nosso Deus. Em muitas situações Ele não vai te tirar do problema, Ele vai estar o tempo todo com você, mas vai deixar que você passe por alguns apuros. O por quê? Para você ter a sua fé nEle aumentada, para você dar o seu testemunho, para você ver a força e poder do Deus que você serve.

5-Como Deus está com você em todos os momentos – A parte mais linda dessa história está reservada para o final. Em Daniel 3:24.De repente, Nabucodonosor se levantou e perguntou, muito espantado, aos seus conselheiros:

-Não foram três os homens que amarramos e jogamos na fornalha?

-Sim senhor! – responderam eles.

-Como é, então, que estou vendo quatro homens andando soltos na fornalha? – perguntou o rei. – Eles estão passeando lá dentro, sem sofrerem nada. E o quarto homem parece um anjo.

Não importa o tamanho do seu problema, não importa o quão complicado possa parecer, Deus está conosco em todos os momentos. Todos mesmo. Mesmo quando não merecemos, mesmo quando não pedimos, Ele está com a gente, vigiando, cuidando , protegendo. Espere e confie, que cedo ou tarde você sairá da fornalha.






Tipos de Consciência!



17/11/2016

Introdução: A palavra "consciência" é encontrada 31 vezes na Bíblia. Contrariamente à crença popular, a consciência nem sempre é a voz de Deus no homem porque ela pode ser uma boa ou má guia.
A consciência pode servir como um sistema de alerta para o homem. Como a dor física, que alerta para danos ao corpo, a consciência pode alertar sobre os danos para a alma! Estudaremos sete tipos de consciência encontrada na Bíblia.
1. A má consciência. Hebreus 10:22 - I Timóteo 4:2
A. Nem todas as consciências são boas. Na verdade, desde a queda de Adão e Eva, a consciência do homem se tornou corrupta.
B. A descrição que Paulo faz de um homem não convertido é encontrada em Efésios 4:18. A cegueira espiritual é a pior e pode ser curada apenas por Jesus - Luz do mundo.
Sejamos conscientes da nossa velha natureza e oremos diariamente para a libertação da má consciência.
2. A consciência condenada. Romanos 2:14-15
A. Essa consciência dá ao homem o conhecimento da lei de Deus, mas não o capacita a escolher o bem do mal.
B. Esta consciência pode tanto levar alguém a se convencer de seus pecados e se arrepender, ou desculpar e justificar-se sem arrependimento. A história da mulher flagrada em adultério em João 8:1-11 é uma clara demonstração de consciência trazida sob convicção sem arrependimento por parte dos acusadores.
3. A consciência limpa. Hebreus 9:14
A. Essa consciência foi transformada iluminada pela Palavra de Deus (Salmo 19:8). É uma consciência que rejeita o mal.
B. A consciência limpa não habita mais na imundície moral. Ela age como um "filtro" do mal para a alma.
4. A consciência pura. I Timóteo 3:9
A. Essa consciência é o produto de uma consciência renovada, transformada e purificada. Ela instrui e nos orienta a viver mais piedosa e perfeitamente no centro da vontade de Deus.
B. Ele ajuda-nos a amar verdadeiramente e servir ao Senhor. Você não pode ter esta consciência, se Deus não é o primeiro em sua vida.
5. A consciência fraca. I Coríntios 8:10
A. A consciência fraca é geralmente encontrada entre os novos convertidos ou cristãos imaturos e até mesmo entre os religiosos legalistas como os fariseus e os escribas do tempo de Jesus.
B. As pessoas com este tipo de consciência se ofendem facilmente pelas pequenas deficiências dos outros e tendem a repreender os outros pela sua incapacidade de observar questões não essenciais.
C. Uma consciência fraca pode ser superada pela constante oração, estudo bíblico, e a pratica da obediência a Deus.
6. A boa consciência. I Pedro 3:16
A. Todos os filhos de Deus deve possuir esse tipo de consciência para lhes permitir servir de boa vontade e obedecê-Lo. É o oposto de uma consciência fraca. Não é facilmente ofendida e nem sempre encontra falhas no próximo.
B. É uma consciência que permanece zelosa e esperançosa, apesar de acusações e perseguições por parte dos ímpios.
7. A consciência livre de culpa. Atos 24:16
A. Um dos maiores objetivos na vida cristã é a realização de maturidade espiritual que é caracterizado por uma consciência que é livre de qualquer culpa diante do homem e, especialmente, diante de Deus.B. Esta consciência produz crentes cuidadosos que são muito sensíveis aos benefícios e bem-estar de Deus e do homem. Uma pessoa com a consciência livre de culpa dará último lugar para seus interesses pessoais e procurará as coisas que vão trazer o bem para os homens e a glória ao nome do Senhor. Nisto consiste a ALEGRIA = Jesus, Outros, Você!
C. À luz do nosso estudo da Bíblia hoje, a sua consciência é tranquila e limpa diante dos homens e, especialmente, diante de Deus?

Conclusão: Apesar de nenhum cientista ou médico poder ser capaz de localizar e explicar a consciência, essa capacidade de distinguir o bem ou o mal (moral) é uma das provas que Deus existe. Que tipo de consciência você tem? Será - má, condenada, limpa, pura, fraca, boa, ou livre de culpa? Qual delas?

Pr. Aldenir Araújo






Por que estou passando por um deserto espiritual?



12/11/2016

Quem é que nunca se perguntou: "Por que estou passando por lutas? O que há de errado comigo? Por que estou sofrendo tanto?" Quando estamos em um momento difícil, achamos que a nossa dor é maior que a de todo mundo. Mas a verdade é que todos nós passamos por provações e precisamos saber como enfrentá-las da melhor maneira, entendendo os propósitos de Deus. Apesar do deserto espiritual ser um lugar seco, Deus tem algo especial para cada um de nós ali. Ele pode transformar a sequidão em mananciais no deserto. O deserto espiritual não é o fim da estrada nem o ponto de chegada. Ele simplesmente faz parte do caminho. Não é o lugar que Deus preparou para vivermos, mas é um local de passagem. Ele é considerado um período de preparação em que Deus nos aperfeiçoa e nos capacita para algo melhor que Ele tem para nós.

Foi assim que aconteceu com Moisés no início de sua jornada. Ele tinha cerca de 40 anos quando flagrou um egípcio espancando um hebreu e ficou com tanta raiva que matou o agressor. Com medo de ser castigado pelo crime, Moisés fugiu para o deserto. Ele deixou para trás o conforto e as riquezas do palácio de Faraó para se refugiar entre os pastores de ovelhas. Lá ele foi treinado e encontrou Deus numa sarça ardente. Da mesma forma, Jesus, logo após ser batizado, foi conduzido ao deserto, e a Bíblia diz que foi o próprio Espírito Santo que o levou até lá. Esses dois exemplos refletem bem o que é o deserto. Nossa vida também é conduzida a lugares secos, onde teremos sede e fome, e com isso aprenderemos a beber da Água da Vida e comer do Pão Celestial, que vem do próprio Jesus. Deus nos leva ao deserto para nos mostrar que existe um alimento espiritual esperando por nós.

Sempre enfrentaremos esse tipo de conflito. Passaremos por desertos na vida espiritual, e essa é a primeira lição que devemos entender: Não estamos livres do deserto. Não podemos nem sequer afirmar: "Passei uma vez, agora não passo mais". Jesus esteve no deserto uma vez e lá teve um confronto com Satanás. Algum tempo depois, lá estava ele no jardim do Getsêmani, que, apesar do nome "jardim", era de uma secura terrível, e ali Cristo enfrentou suas piores lutas. Foi nessa ocasião que ele orou: "Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como Tu queres" (Mateus 26:39)

Quando eu olho para a vida de Jesus e para esses dois desertos que ele passou, acredito que, no primeiro, ele precisava ser cheio do Espírito Santo de Deus para vencer Satanás. E foi o que aconteceu. Jesus venceu o diabo ao citar versículos da palavra de Deus. Já no Getsêmani, talvez o desafio fosse vencer a própria natureza humana. Ele precisava dizer não à sua vontade terrena. Quando um deserto espiritual surge diante de nós, não significa que Deus esteja "pesando a mão". Essa é uma visão errada que temos sobre Deus. Acreditamos que o Senhor está nos mandando um deserto como uma doença, para nos castigar por algo errado que fizemos. Mas a Bíblia diz que Deus é amor (1 João 4:8). Sua essência é a bondade, suas misericórdias não têm fim e se renovam todos os dias (Lamentações 3:22,23).
Deserto espiritual não é maldição

Precisamos entender que quando Deus nos permite passar por momentos difíceis, não estamos recebendo uma maldição divina. É apenas uma fase, uma preparação para algo melhor que está chegando. Em Tiago 1:2-4 está escrito: "Meus irmãos, considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança. E a perseverança deve ter ação completa, a fim de que vocês sejam maduros e íntegros, sem lhes faltar coisa alguma."

Quem passa pelo deserto deve estar acompanhado da alegria. É isso que o texto nos ensina. Quando você estiver passando pelo deserto, saiba que você está sendo provado, mas Deus está do seu lado, e a companhia Dele te dará uma alegria inexplicável. Não é somente a felicidade de pertencer a Cristo, mas de sofrer com ele, e isso só traz recompensas. Muitas vezes passamos pelo deserto e até nos perguntamos: "Deus, eu precisava mesmo passar por isso"? Mas podemos ter certeza que só Ele sabe do que precisamos para crescer. Se não vivermos certas experiências, não saberemos administrar as bênçãos que Deus nos dá. Por isso reconheça que você ainda não está pronto, mas que você tem certeza que o melhor de Deus está por vir!

Fonte: http://www.pastorantoniojunior.com.br






Deus tem uma RESPOSTA.



05/11/2016

Super Semana Abençoada

Muitas vezes Deus se cala... Mas o silêncio de Deus não significa que Ele desistiu de você... Sua Palavra diz que quando Ele fica em silêncio é porque está trabalhando... e é lógico... trabalhando em favor daqueles a quem Ele ama... E ELE TE AMA!!! Portanto se você está passando pelo silêncio de Deus... Ele te diz: Não temas! Eu sou contigo, Eu te Amo. Paz sempre! Por maior que seja a dificuldade pela qual esteja passando, não desanime. Confie, mantendo a fé e a esperança.

Não se esqueça de que Deus não dá uma cruz mais pesada do que aquela que podemos carregar. Ele dá a lição e as provas conforme o nível de entendimento e evolução do Espírito.

Nesta escola chamada Terra há alunos em diversos graus, alguns mais adiantados, outros mais atrasados, mas o mais importante é que todos estão aprendendo de um jeito ou de outro.
Se você confia em Deus, não há o que temer! Faça a sua fé ser maior do que o seu medo.
Deus tem uma Resposta

Você diz: "Isso é impossível"
Deus diz: "Tudo é possível" (Lucas 18:27)

Você diz: "Eu já estou cansado"
Deus diz: "Eu te darei o repouso" (Mateus 11:28-30)

Você diz: "Ninguém me ama de verdade"
Deus diz: "Eu te amo" (João 3:16 & João 13:34)

Você diz: "Não tenho condições"
Deus diz: "Minha graça é suficiente" (II. Corintos 12:9)

Você diz: "Não vejo saída"
Deus diz: "Eu guiarei teus passos" (Provérbios 3:5-6)

Você diz: "Eu não posso fazer"
Deus diz: "Você pode fazer tudo" (Filipenses 4:13)

Você diz: "Estou angustiado"
Deus diz: "Eu te livrarei da angustia" (Salmos 90:15)

Você diz: "Não vale a pena"
Deus diz: "Tudo vale a pena" (Romanos 8:28)

Você diz: "Eu não mereço perdão"
Deus diz: "Eu te perdôo" (I Epistola de São João 1:9 & Romanos 8:1)

Você diz: "Não vou conseguir"
Deus diz: "Eu suprirei todas as suas necessidades" (Filipenses 4:19)

Você diz: "Estou com medo"
Deus diz: "Eu não te dei um espírito de medo" (II. Timóteo 1:7)

Você diz: "Estou sempre frustrado e preocupado"
Deus diz: "Confiai-me todas as suas preocupações" (I Pedro 5:7)

Você diz: "Eu não tenho talento suficiente"
Deus diz: "Eu te dou sabedoria" (I Corintos 1:30)

Você diz: "Não tenho fé"
Deus diz: "Eu dei a cada um uma medida de fé" (Romanos 12:3)

Você diz: "Eu me sinto só e desamparado"
Deus diz: "Eu nunca te deixarei nem desampararei"






Dia de Finados: O que diz a Bíblia?



01/11/2016

No dia 2 de novembro se celebra o culto aos mortos ou o dia de Finados. Qual a origem do culto aos mortos ou do dia de Finados?

O dia de Finados só começou a existir a partir do ano 998 DC. Foi introduzido por Santo Odilon, ou Odílio, abade do mosteiro beneditino de Cluny na França. Ele determinou que os monges rezassem por todos os mortos, conhecidos e desconhecidos, religiosos ou leigos, de todos os lugares e de todos os tempos. Quatro séculos depois, o Papa, em Roma, na Itália, adotou o dia 2 de novembro como o dia de Finados, ou dia dos mortos, para a Igreja Católica.

Como chegou aqui no Brasil essa celebração de 2 de novembro ser celebrado o dia de Finados?

O costume de rezar pelos mortos nesse dia foi trazido para o Brasil pelos portugueses. As igrejas e os cemitérios são visitados, os túmulos são decorados com flores, e milhares de velas são acesas.

Tem apoio bíblico essa tradição de se rezar pelos mortos no dia 2 de novembro? Como um cristão bíblico deve posicionar-se no dia de Finados?

Nada de errado existe quando, movidos pelas saudades dos parentes ou pessoas conhecidas falecidas, se faz nesse dia visita os cemitérios e até mesmo se enfeitam os túmulos de pessoas saudosas e caras para nós. Entretanto, proceder como o faz a maioria, rezando pelos mortos e acendendo velas em favor das almas dos que partiram tal prática não encontra apoio bíblico.

A maioria das pessoas que visitam os cemitérios no dia de Finados está ligada à religião católica. Por que os católicos fazem essa celebração aos mortos com rezas e acendendo velas junto aos túmulos?

Porque segundo a doutrina católica, os mortos, na sua maioria estão no purgatório e para sair mais depressa desse lugar, pensam que estão agindo corretamente mandando fazer missas, rezas e acender velas. Crêem os católicos que quando a pessoa morre, sua alma comparece diante do arcanjo São Miguel, que pesa em sua balança as virtudes e os pecados feitos em vida pela pessoa. Quando a pessoa não praticou más ações, seu espírito vai imediatamente para o céu, onde não há dor, apenas paz e amor. Quando as más ações que a pessoa cometeu são erros pequenos, a alma vai se purificar no purgatório.

Existe base bíblica para se crer no purgatório, lugar intermediário entre o céu e o inferno?

Não existe. A Bíblia fala apenas de dois lugares: céu e inferno. Jesus ensinou a existência de apenas dois lugares. Falou do céu em Jo 14.2-3 e falou do inferno em Mt 25.41.

Segundo a Bíblia o que acontece com os seres humanos na hora da morte?

No livro de Hebreus 9.27 se lê que após a morte segue-se o juízo. E Jesus contou sobre a situação dos mortos Lc 16.19-31. Nessa parte bíblica destacamos quatro ensinos de Jesus: a) que há consciência após a morte; b) existe sofrimento e existe bem estar; c) não existe comunicação de mortos com os vivos; d) a situação dos mortos não permite mudança. Cada qual ficará no lugar da sua escolha em vida. Os que morrem no Senhor gozarão de felicidade eterna (Ap 14.13) e os que escolheram viver fora do propósito de Deus, que escolheram o caminho largo (Mt 7.13-14) irão para o lugar de tormento consciente de onde jamais poderão sair.

Fora a crença sobre o estado dos mortos de católicos e evangélicos, existem outras formas de crer sobre a situação dos mortos. Pode indicar algumas formas de crer?

Sim.

A) os espíritas crêem na reencarnação. Reencarnam repetidamente até se tornarem espíritos puros. Não crêem na ressurreição dos mortos.

B) os hinduístas crêem na transmigração das almas, que é a mesma doutrina da reencarnação. Só que os ensinam que o ser humano pode regredir noutra existência e assim voltar a este mundo como um animal ou até mesmo como um inseto: carrapato, piolho, barata, como um tigre, como uma cobra, etc.

C) os budistas crêem no Nirvana, que é um tipo de aniquilamento.

D) As testemunhas de Jeová crêem no aniquilamento. Morreu a pessoa está aniquilada. Simplesmente deixou de existir. Existem 3 classes de pessoas: os ímpios, os injustos e os justos. No caso dos ímpios não ressuscitam mais. Os injustos são todos os que morreram desde Adão. Irão ressuscitar 20 bilhões de mortos para terem uma nova chance de salvação durante o milênio. Se passarem pela última prova, poderão viver para sempre na terra. Dentre os justos, duas classes: os ungidos que irão para o céu, 144 mil. Os demais viverão para sempre na terra se passarem pela última prova depois de mil anos. Caso não passem serão aniquilados.

E) os adventistas crêem no sono da alma. Morreu o homem, a alma ou o espírito, que para eles é apenas o ar que a pessoa respira, esse ar retorna à atmosfera. A pessoa dorme na sepultura inconsciente.

Como se dará a ressurreição de todos os mortos?

Jesus ensinou em Jo 5.28,29 que todos os mortos ressuscitarão. Só que haverá dois tipos de ressurreição; para a vida, que ocorrerá mil anos antes da ressurreição do Juízo Final. A primeira ressurreição se dará por ocasião da segunda vinda de Cristo, no arrebatamento. (1 Ts 4.16,17; 1 Co 15.51-53). E a ressurreição do Juízo Final como se lê em Apocalipse 20.11-15.






31 de outubro vira Dia Nacional da Proclamação do Evangelho.



30/10/2016

Lei foi sancionada por Dilma no dia 12 de janeiro e, salvo no circuito evangélico, passou despercebida; para Leandro Karnal, é hora de discutir limites do Estado laico

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

O dia 31 de outubro – conhecido como Dia das Bruxas – será agora o Dia Nacional da Proclamação do Evangelho. Nesse dia “dar-se-á ampla divulgação à proclamação do Evangelho, sem qualquer discriminação de credo dentre igrejas cristãs”. A lei foi sancionada por Dilma Rousseff na terça-feira, 12 de janeiro de 2016 – o 128º da República.

Em 1890, observa o historiador Leandro Karnal, ficavam oficialmente separados Estado e Igreja Católica e instituía-se a liberdade de culto. Mas todas as Constituições posteriores à de 1891 foram colocadas sob a proteção de Deus. Crucifixos no Senado, na Câmara, no STF, mostram uma “separação imperfeita”, definiu hoje o professor da Unicamp, ao tratar do tema em sua página no Facebook.

Ele diz que é um bom momento para se voltar ao tema “do que é e quais os limites do Estado Laico”. Karnal lembra que Getúlio Vargas, ateu, deu liberdade para que terreiros de candomblé fossem invadidos pela polícia. E participou ativamente da inauguração do Cristo Redentor, em 1931. “O fato mostra como estes temas eram delicados”, escreveu.

Leandro Karnal considera que o crescimento de bancadas parlamentares identificadas com expressões religiosas específicas traz novamente à tona o debate sobre a laicidade do Estado.

EVANGÉLICOS COMEMORAM

A notícia do Dia da Proclamação do Evangelho passou despercebida pelos jornais. Embora o Valor tenha feito um registro de pé de páginas. No Sul 21, o colunista Milton Ribeiro afirmou que a bancada evangélica “samba no governo Dilma“. Ele considera que o decreto desconsidera todas as religiões não cristãs. Os sites evangélicos, claro, noticiaram e comemoraram.

O Gospel Prime informa que a lei tramitava desde 2003. Foi apresentada pelo deputado Neucimar Fraga (PSD-ES), na época no PFL. O site diz que a data lembra a reforma protestante, iniciada em 31 de outubro de 1517, “quando o alemão Martinho Lutero fixou suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg”. O país já tem um Dia Nacional do Evangélico, 30 de novembro, conforme lei sancionada por Lula.

O Ministério Internacional da Restauração também informou que 31 de outubro é conhecido internacionalmente como Dia da Reforma – que comemorará 500 anos no ano que vem. E diz que não há como negar a importância do reconhecimento oficial. Mas a lei não exclui a igreja católica, ou espíritas. A Arquidiocese de Curitiba, por exemplo, repercutiu a lei sem comentários, com uma foto do papa Francisco.

O redator do GospelPrime lembra que, em 2009, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou lei que estabelecia o Dia Nacional da Marcha para Jesus. “Obviamente não pode ser esperado que o fato de a presidente ter assinado a lei mude na prática a postura histórica do Partido dos Trabalhadores”, prossegue o jornalista, “que se pauta pela filosofia socialista-marxista, que defende o ateísmo”.

Um site da Igreja Adventista do Sétimo Dia ouviu o pastor Hélio Carnassale, diretor de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa em oito países sul-americanos. Ele definiu a lei como “oportunidade para fortalecermos a disposição cristã para a pregação do evangelho, sem contudo não nos esquecermos de que cada pessoa tem a liberdade de aceitar ou não a mensagem cristã de salvação”.






O Cristão pode participar do Halloween?



29/10/2016

A Resposta é NÃO! Vejamos por que:

O Halloween é uma festa muito comum nos EUA e Europa e é celebrada no dia 31 de Outubro. A comemoração veio dos antigos povos bárbaros Celtas, que habitava a Grã-Bretanha há mais de 2000 anos.

Os Celtas realizavam a colheita nessa época do ano, e, segundo um antigo ritual, para eles os espíritos das pessoas mortas voltariam à Terra durante a noite, e queriam, entre outras coisas, se alimentar e assustar as pessoas. Então os Celtas costumavam se vestir com máscaras assustadoras para afastar estes espíritos.

Esse episódio era conhecido como o “Samhaim”. Com o passar do tempo, os cristãos chegaram à Grã-Bretanha, converteram os Celtas e outros povos da Ilha, especialmente através de S. Patrício no século IV e V; e com o grande S. Columbano no século VI. Com isso, a Igreja Católica transformou este ritual PAGÃO, em uma festa religiosa. Esta estratégia religiosa foi ensinada por S. Leão Magno e S. Gregório Magno. Ela passou a ser celebrada nesta mesma época e, ao invés de honrar espíritos e forças ocultas, o povo recém catequizado, deveria honrar os santos, daí veio o “All Hallows Day”: o Dia de Todos os Santos.

Mas, a tradição entre estes povos continuou, e além de celebrarem o Dia de Todos os Santos, os não convertidos ao Cristianismo celebravam também a noite da véspera do Dia de Todos os Santos com as máscaras assustadoras e com comida. A noite era chamada de “All Hallows Evening”,abreviando-se, veio o Halloween.

Concluímos, pois que o Halloween ou dia das bruxas não é uma festa cristã e sim pagã de origem diabólica por sinal, celebrar as bruxas e a espíritos é desonrar a Deus, então como cristãos não podemos participar de tal celebração mesmo que pensemos que tenha apenas conotação folclórica.

Devemos nos lembrar da recomendação de Paulo: “As coisas que os pagãos sacrificam, sacrificam-nas a demônios e não a Deus. E eu não quero que tenhais comunhão com os demônios. Não podeis beber ao mesmo tempo o cálice do Senhor e o cálice dos demônios. Não podeis participar ao mesmo tempo da mesa do Senhor e da mesa dos demônios. Ou queremos provocar a ira do Senhor? Acaso somos mais fortes do que ele?” (1 Cor 10,19-22).

E ai, ainda Vai Participar?!





P?gs.: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10